A utilização de frameworks de trabalho fez com que uma mudança considerável nas práticas de gerenciamento de projetos acontecesse. Sendo que o intuito era de aumentar a eficácia no desenvolvimento de software.

Nesse post iremos te contar um pouco da origem dessa ferramenta e quais suas principais vantagens.

O que são Frameworks?

Oriundos do mercado de desenvolvimento de softwares, os frameworks são plataformas que disponibilizam um conjunto de bibliotecas com elementos base e códigos disponíveis para serem integrados num projeto tecnológico. Ou seja, um passo a passo, um guia pronto para fazer algo. 

Relação com o Mundo Ágil

Dada a eficácia comprovada no desenvolvimento de softwares, frameworks passaram a ser incorporadas ao gerenciamento dos mais variados tipos de projetos.

Características marcantes como o planejamento contínuo, teste contínuo e integração contínua, fizeram dos frameworks indispensáveis para qualquer organização de sucesso.

No Roads, o uso dessas ferramentas se faz essencial para a eficácia e eficiência de nossas entregas. Por meio do OKR, todos do time sabem e estão cientes sobre quais são os objetivos do time e da empresa.

Com a definição e priorização de Milestones, todos os times enxergam com facilidade como iremos conseguir atingir os objetivos.

Aliado a isso, através do Scrum conseguimos priorizar o que deve ser entregue, em datas pré-definidas que não poderão ser aumentadas ou diminuídas. Assim, fazendo com que os times se sintam mais motivados a entregar o que foi priorizado e combinado. 

Por fim, visando sempre a melhoria contínua, utilizamos o ciclo PDCA para ter mais controle sobre os processos e atividades, padronizando as informações e aumentando a assertividade nas tomadas de decisões importantes.

Vantagens de se utilizar frameworks:

Redução de Gargalos e Desperdício

Por diminuir o tamanho dos ciclos de trabalho e priorizar a ordem das tarefas a serem executadas por valor, os frameworks acabam evitando uma das maiores causas de desperdício no trabalho: realizar tarefas que não sejam realmente importantes para atingir os objetivos, seja esse público feito de clientes internos ou clientes externos.

Adaptabilidade

O controle de processos empíricos e a entrega iterativa fazem com que os projetos sejam adaptáveis e abertos à incorporação de mudanças.

Enquanto os métodos tradicionais de desenvolvimento, em especial o cascata, valorizam análise extensa e definições rígidas de requisitos, visando “segurança” (ou a falsa sensação dela), frameworks abraçam a imprevisibilidade que um projeto longo possui ao inserir mais resiliência em projetos.

Transparência

Todos os projetos utilizando Frameworks devem ser públicos para todos na organização. Isso gera uma grande transparência entre os diferentes times, pois cada um tem acesso ao que os outros estão fazendo a qualquer momento.

Também é importante lembrar que, com um sistema de trabalho transparente, as chances de alguém que não faz parte do time tenha uma ideia que possa ajudar o time trabalhando e gerar valor para os stakeholders.

Detecção rápida de erros e problemas

Pense comigo: você gerencia os projetos da maneira tradicional, planejando tudo do começo ao fim e tenta realizar isso tudo de uma vez. Se você só checa se tudo está certo ao final deste projeto, as chances de, ao fim do período, você descobrir que diversas etapas tiveram erros e o projeto atrasou devido à vários problemas que ocorreram durante aquele ciclo de trabalho, que poderiam ser evitados caso fossem realizadas pequenas conversas, são muito maiores.

Senso de pertencimento dos colaboradores!

Quando os colaboradores sabem que suas ações do dia a dia, que suas opiniões e experiência estão impactando os resultados da empresa, eles ficam mais engajados e se sentem parte da construção, se sentem donos do negócio!

Ficou interessado em aprender mais? Fizemos um Paper com tudo que você precisa saber sobre Estratégia e Execução!

Sharing is Caring!